terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Resenha #2 O Nome do vento

Sinopse:

Essa é a história de Kvothe (ou Kote) – um homem misterioso que dá vida ao personagem principal de O nome do vento. Encarnando ora o herói, ora o vilão desta fascinante aventura, ele vai levá-lo a um mundo habitado por seres fantásticos e inesquecíveis. Vai guiá-lo através dos momentos marcantes de sua vida: o amor por uma cortesã; o trágico assassinato dos pais por um grupo demoníaco; a ousada experiência na escola de magia; as dificuldades da infância numa cidade assolada pelo caos. Mais do que isso: ele lhe dará a chave para desvendar a verdadeira identidade do homem por trás da lenda.

Sobre:


O “O nome do Vento” é o primeiro livro da trilogia As Crônicas do Matador do Rei, criada pelo escritor  Patrick Rothfuss e lançado no Brasil pela editora Arqueiro.
Durante uma entrevista, o autor Patrick afirmou que quando se é um devorador de livros como ele, acaba por perceber que no fundo as histórias são todas mais ou menos iguais, ou seja, partilham padrões, estruturas e estereótipos semelhantes – opinião com a qual concordo plenamente. Talvez tenha sido essa percepção e experiência com inúmeras histórias diferentes os fatores responsáveis por uma obra tão diferente de tudo que já li.
Nesta provocante narrativa, o leitor é transportado para um mundo fantástico, repleto de mitos e seres fabulosos, heróis e vilões, ladrões e trovadores, amor e ódio, paixão e vingança. Mais do que a trama bem construída e os personagens cativantes, o que torna O nome do vento uma obra tão especial – que levou Patrick Rothfuss ao topo da lista de mais vendidos do The New York Times – é sua capacidade de encantar leitores de todas as idades.
Kvothe é um homem enigmático que esconde sua verdadeira história sob a identidade do simplório proprietário da hospedaria Marco do Percurso, Kote. Depois do aparecimento de criaturas estranhas pelas redondezas da cidade, um cronista recém-chegado suspeita que Kote possa ser o protagonista de várias histórias e feitos incríveis que rondam a região. Por inúmeras razões, Kote decide relatar a trajetória de sua vida para o cronista. O livro aborda os fatos narrados por Kote e que contam sobre sua infância numa trupe itinerante, sobre como sua família foi assassinada pelo misterioso grupo chamado de Chandriano, sobre como foram os anos vividos nas ruas da cidade de Tarbean e como ingressou na Universidade a fim de aprender a arte de nomear as coisas e também de reunir informações sobre o Chandriano.
Kvothe é um personagem ímpar, extremamente inteligente, audacioso, orgulhoso e, por vezes, incauto, sempre disposto a colocar seus recém- adquiridos conhecimentos em prática. Depois de perder sua família, se vê lutando para sobreviver nas ruas de uma grande cidade, dormindo ao relento, roubando comida e sofrendo. Seu único conforto é seu alaúde e a música, herança de seu passado como artista de trupe. Seu apego ao alaúde é tão grande e forte que rendem situações de arrasar qualquer pessoa que tenha um coração.
É um livro que recomendo, a narrativa irá transporta-lo para dentro do livro.