sexta-feira, 31 de julho de 2015

Resenha # 18 Fim da Infância, Arthur C. Clarke

Em plena Guerra Fria, enquanto russos e americanos se preparam para a corrida espacial, imensas naves surgem sobre as principais capitais do mundo, revelando um dos grandes mistérios da humanidade: O homem não está sozinho no universo. Seus ocupantes, chamados de Senhores Supremos, dominam a Terra de forma pacífica e melhoram substancialmente as condições de vida. A ignorância, a guerra e a pobreza deixam de existir, dando início a uma era de ouro. Porém, uma dúvida assombra a humanidade: quais seriam os verdadeiros objetivos dos Senhores Supremos? Até quando suas políticas iriam coincidir com o bem-estar dos homens? As respostas para essas questões podem revelar uma verdade aterradora.

"Este era o momento em que a história prendia a respiração, e o presente se destacava do passado da mesma forma que um iceberg se rompe dos despenhadeiros gelados que lhe dão origem para navegar pelo oceano, solitário e orgulhoso. Tudo o que as gerações passadas haviam conquistado era, agora, como nada. Um único pensamento se repetia na mente de Reinhold:
A raça humana não estava mais só. "
E assim começa esse livro, com uma corrida espacial, mas o ganhador dessa corrida vinha do espaço. Sobre as maiores cidades do planeta, pairavam naves prateadas vindas do espaço. E haviam lhe com elas a humanidade conhecia os enigmáticos Senhores Supremos, os quais ficaram décadas sem ser mostrar para os humanos, eles não escravizaram a humanidade, mas sim a levaram a mundo sem guerras, sem fome, sem misérias. Mas assim os humanos começaram a abrir mão de sua capacidade criativa e deixa de ter qualquer tipo de ambição. 


"O vírus devia ter entrado em seu sangue, ou então ele estava simplesmente chegando à sua segunda infância mais depressa do que esperava.
   Curiosidade pura e simples também era um forte motivo, bem como a determinação de ir à forra pela peça que haviam lhe pregado. Estava mais do que obvio, agora, que Karellen o usara como isca e, mesmo que isso tivesse sido pela melhor das razões, Stormgren não se sentia inclinado a perdoar o Supervisor de imediato"


 Stormegren é o personagem humano de primeira importância no livro, ele é o único contato com os Senhores Supremos, e dos alienígenas o único que aparece nesse primeiro momento é Karellen, na leitura somos colocados na duvida se ele é o único que existe ou existem outros. 

Como os Senhores Supremos não querem se mostrar, existem algumas revoltas, o ser humano com toda sua curiosidade, não suporta esse fato, e isso causa algumas revoltas, mas Karellen promete em nome dos Senhores Supremos se mostrarem daqui a alguns anos, mas Stormgren sabe que não estará vivo até isso acontecer, e acaba tramando para conhecer o verdadeiro Karellen. 

" Cinquenta anos é tempo mais que suficiente para mudar um mundo e seu povo, a ponto de quase não serem reconhecidos. Tudo o que é preciso é um bom conhecimento de engenharia social, uma visão clara do objetivo desejado ... e poder."




Logo após essa primeira parte somos apresentado,o que na minha visão, seria os personagens centrais na trama, Jan Rodricks, e o casal Greggson, George e Jean, porque logo após eles viriam a ultima geração.

Os três acabam se conhecendo em uma festa na casa de Rupert, e ainda na festa se encontra um Senhor Supremo. Imagina a surpresa deles ao conhecer pessoalmente um Senhor Supremo.


" As estrelas não são para o Homem"



E novamente a curiosidade humana, entra em ação e somos a apresentado ao personagem  Jan o qual é ousado e planeja algo inusitado, e com ele somos expostos a questões nunca antes pensadas, ele acaba por fim pondo em pratica e algo extremamente perigoso, mas no final ficamos em duvida se essa já não era a intenção de um senhor supremo.



" Só Karellen sabia com que inexorável rapidez a Era Dourada se aproximava do fim"

Enfim, vou parar por aqui, no livro há muitas questões a serem apresentadas, mas se eu continuar a escrever sobre isso acabarei dando spoiler, e essas questões nos fazem pensar sobre a vida, aonde vamos e o que queremos dela. Foi um livro extremamente prazeroso de se ler . Recomendo a leitura.